A celebração da Ciência e de uma Educação transformada – por Claudia Costin

Celebramos, no dia 8 de julho, duas efemérides importantes: o Dia Nacional da Ciência e o aniversário de 101 anos de um grande pensador da Educação, o Edgar Morin.  Ambas nos convocam a fazer  reflexões importantes, num Brasil que vive momentos desafiadores.

No primeiro caso, trata-se de uma clara homenagem aos pesquisadores e cientistas que buscam fazer avançar o conhecimento sobre como a natureza e a sociedade funcionam e, assim poder trazer melhorias para a vida, mitigar riscos ou solucionar problemas. A data foi escolhida pois foi no dia 8 de julho de 1948, pouco depois do final da segunda guerra mundial, que foi criada a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a SBPC, uma entidade civil voltada para a defesa do avanço científico e tecnológico e do desenvolvimento educacional e cultural do Brasil. Desde sua fundação, a SBPC exerce um importante papel na expansão e aperfeiçoamento do sistema nacional de ciência e tecnologia, assim como na difusão e popularização da ciência no país.

Infelizmente, este sistema se encontra ameaçado de múltiplas maneiras. Em primeiro lugar tem ocorrido uma certa desconfiança nas pesquisas que vem sendo bombardeadas por teorias conspiratórias ou “fatos alternativos” que frequentam as redes sociais. Além disso, numa clara confusão entre fatos e opiniões, as evidências científicas vêm sendo refutadas, especialmente na saúde (embora o mesmo ocorra no campo da educação) por crenças infundadas, experimentos não testados e superstições, no que se convencionou chamar de negacionismo científico. Para complicar ainda mais, as universidades públicas, responsáveis por 90% das pesquisas científicas brasileiras, estiveram durante todo o ano de 2019 e boa parte de 2020 sob ataque constante e nos anos seguintes tiveram cortes importantes em seu orçamento. 

A segunda efeméride, a celebração da longa vida de Edgar Morin, traz-nos a oportunidade de olhar para a educação de outra maneira, como aprendizagem individual e coletiva. Morin é um sociólogo e filósofo francês que vem refletindo sobre as profundas transformações que o mundo vive hoje e a importância de mudar a educação para enfrentar novos e velhos desafios. Neste sentido escreveu livros como a Religação dos Saberes, que traz uma crítica ao ensino secundário francês, propondo que se acabe com a fragmentação das disciplinas, que deveriam se conectar num processo que leve os alunos a serem pensadores sistêmicos, capazes de compreender a complexidade. Outra obra, também lançada no Brasil, “Lições de um século de vida”, publicada no seu centenário, mostra o como ele próprio, seja como membro da Resistência Francesa contra o nazismo ou como pensador arguto de seu tempo, seguiu uma trajetória em que aprendizagem, reflexão e ação transformadora sempre estiveram presentes e combinados.

De fato, a Ciência e a aprendizagem ao longo da vida merecem esta dupla comemoração!

Você gostou?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Veja mais conteúdos que podem te interessar:

Olá! Que bom ter você conosco! :)

O Conteúdo Aberto oferece gratuitamente conteúdos com curadoria pedagógica para estudantes, escolas e famílias.
Para ter acesso aos melhores conteúdos, efetue seu login ou cadastro:

Olá! Que bom ter você conosco! :)

O Conteúdo Aberto oferece gratuitamente conteúdos com curadoria pedagógica para estudantes, escolas e famílias.
Para ter acesso aos melhores conteúdos, efetue seu login ou cadastro:

Olá! Que bom ter você conosco! :)

O Conteúdo Aberto oferece gratuitamente conteúdos com curadoria pedagógica para estudantes, escolas e famílias.
Para ter acesso aos melhores conteúdos, efetue seu login ou cadastro: